quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Um fim de semana com um livro

Aquilo que uma criança necessita não é de grandes respostas,

mas de um coração que a ame,

Um ouvido que a escute

e alguém que a anime a continuar…”


Anónimo


É na escola que, por norma, a criança concretiza a aprendizagem formal da leitura e da escrita.
Na maioria dos casos, o contacto do livro reduz-se, quase exclusivamente, à utilização dos manuais escolares e no convívio com os textos que os mesmos oferecem. Contudo, existem outros materiais que podem e devem ser convocados para o contexto pedagógico
Falamos de histórias significativas, com sentido ou com muitos sentidos, divertidas e tristes, com linguagem rica e variada, nem sempre fácil, mas, por isso mesmo, estimulante e fonte do alimento do imaginário.

A Literatura Infantil, bebida desde o nascimento em doses sabiamente ministradas, gera uma saudável dependência que dá à criança e ao adolescente a força e o engenho necessários para realizarem a leitura do mundo, base indispensável aos seus projectos de vida.”

Os momentos de leitura em casa deverão constituir um ritual: trata-se de um momento único, cuja magia resulta de uma série de factores, entre os quais se salientam o contexto, a predisposição dedicada a esse momento quer dos pais, quer dos filhos e a modulação da voz do adulto ao contar a história. Desta situação tão particular entre pais e filhos, na qual eles estão expectantes e suspensos das suas palavras, resulta a ansiedade com que é esperada a sua repetição em determinado espaço de tempo previamente estabelecido; a leitura partilhada e lida em voz alta, sussurrada, gemida ou gritada pelo adulto permitirá que a Literatura cumpra todas as suas funções ao provocar o prazer estético que resulta do seu pleno usufruto.
Estes momentos de leitura constituem uma estratégia de “desescolarização” da leitura, tendo apenas o objectivo de cultivar o prazer de ouvir ler para também gostar de ler. Feita pelos pais, avós ou irmãos que se ofereçam para o fazer, em momentos propícios para o efeito, a leitura de um livro com exploração das imagens, dos seus pormenores, e deixado num local ao alcance da criança, desencadeia, normalmente, uma grande procura, pois têm sempre tendência a depois, voltarem a ler a história, no caso de crianças mais velhas, ou de contarem e recontarem as histórias através da exploração das imagens, no caso de crianças do jardim-de-infância.
Estes momentos de leitura constituem uma estratégia de “desescolarização” da leitura, tendo apenas o objectivo de cultivar o prazer de ouvir ler para também gostar de ler. Feita pelos pais, avós ou irmãos que se ofereçam para o fazer, em momentos propícios para o efeito, a leitura de um livro com exploração das imagens, dos seus pormenores, e deixado num local ao alcance da criança, desencadeia, normalmente, uma grande procura, pois têm sempre tendência a depois, voltarem a ler a história, no caso de crianças mais velhas, ou de contarem e recontarem as histórias através da exploração das imagens, no caso de crianças do jardim-de-infância.
Algumas pistas para o aproveitamento dos momentos de Leitura:

Periodicidade
Estes momentos de leitura, como já foi referido, deverão instituir-se como uma rotina semanal ou diária dependendo o número de vezes que se realiza, do contexto em que acontece e da predisposição de ambas as partes; no jardim-de-infância, a leitura e exploração de histórias, é um dos momentos mais importantes das suas rotinas; em casa, deverão existir sempre que a criança o solicitar, ou então, também pode ser combinado com a criança criando uma rotina, por exemplo, ao deitar, incentivando-lhes assim o gosto pela leitura.

Ambiente
O ambiente para se contar uma história em casa, com o seu filho deve ser calmo, com uma luz clara se for dia, o ténue se for ao deitar, e sem pressas, num local onde não haja interrupções, nem de outras pessoas nem de telefones ou afins. Deve dar a máxima importância a estes momentos com o seu filho pois é um modo de lhe dedicar inteiramente a sua atenção e de tornar este momento de leitura íntimo e especial para ele. O local pode ser variado, na cama, no sofá, no jardim, no entanto, ter em atenção que seja um local calmo, sem interrupções e que este momento seja um momento só vosso.

Entoação
Nada é mais aborrecido para uma criança do que uma leitura monótona. A voz dramatiza a história, dá-lhe corpo e “mais colorido”. O contador poderá e deverá utilizar diversos tons e intensidades de voz para caracterizar momentos e/ou personagens.

Imagens
Quando estiver a contar a história ao seu filho/a, deverá deixar a criança observar bem a imagem de modo a que enriqueça mais a história e também que a ajude a compreender os momentos mais importantes.
Ao contar a história, deverá mostrar as imagens e demorar o necessário para que dê tempo à criança de assimilar os pormenores. Os mais pequenos, é nas imagens que se apoiam depois para recontar a história.

Preparação
O adulto deve conhecer a história/conto, lê-la várias vezes e preparar esta actividade para que tenha sucesso. De igual modo, o clima destes momentos de leitura não se compadece de interrupções. O adulto deve dedicar esse tempo exclusivamente a essa actividade com a sua criança, sem interrupções também, pois ela merece e precisa dessa sua exclusividade.

Cenário
Quem conta a história, não precisa de se converter em actor para transformar estes momentos em instantes agradáveis e divertidos. Não é preciso muita elaboração para criar cenas. Um simples lápis que se transforma em vara de condão ou um lenço que vira uma capa mágica são capazes de encantar as crianças.


O contador
A grande dica para ser um bom narrador de contos é ler muito; os livros, os jornais, os gestos, as pessoas, a vida em cada coisa. E não ter pressa: o contador de histórias tem que ter paixão pela palavra pronunciada e contar a história pelo prazer de dizer (que é muito diferente de ler uma história, que também é muito diferente de explicar uma história!).

Que histórias contar?
Varie os géneros – as possibilidades são infinitas. Adeqúe o tamanho e o tipo da história à faixa etária do seu filho, tendo em conta a sua capacidade de concentração. A arte de contar histórias é muito bonita porque não discrimina ninguém – nenhum tipo de cultura ou classe social – não existe preconceito. A história é boa quando serve para todos, quando todos podem ouvir, dar uma opinião, reflectir e chegar às suas próprias conclusões. Poderá também deixar o seu filho escolher a história que deseja ouvir e, deste modo, prender-lhe a atenção e o gosto pela leitura.
Os especialistas afirmam que, por isso mesmo, nos momentos em que estiver a contar as histórias ao seu filho ou filha, não deve tentar simplificá-las ou mudar as palavras para facilitar a compreensão, mas deixar que a criança tente compreender o seu sentido pelo contexto. Com isso, ela aprende a diferença entre texto escrito e linguagem oral, informação fundamental para o processo de alfabetização.


Projecto de
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS De BUARCOS
Jardim de Infância de Buarcos
Jardim de Infância de Serra da Boa Viagem
Jardim de Infância de Vila Verde

Sem comentários:

Enviar um comentário